Constelação e RelacionamentosConstelação Familiar

Dicas para um bom relacionamento afetivo

Para muita gente, um namoro ou o casamento são sonhos de consumo. Desde bem pequenas, muitas meninas imaginam como será o momento do casamento, ensaiando com suas bonecas. Por outro lado, à medida que vamos crescendo, imaginamos os contornos de um relacionamento afetivo conforme são pintados em filmes e novelas. No entanto, quando realmente chega a nossa hora de viver uma história de amor, muitas dúvidas aparecem.

O que esperar deste texto

No texto de hoje, falaremos sobre algumas medidas que você deve tomar para fazer do seu relacionamento um espaço saudável tanto para você quanto para seu parceiro. Como você vai ver mais adiante, nem sempre tudo envolve uma atitude da outra pessoa. Porém, todas essas orientações guardam impactos positivos para os dois.

Ao contrário do que muita gente pensa, o relacionamento não é algo que consiga permanecer saudável apenas pela manutenção do contato físico. A coisa é tão complexa que mesmo as pessoas mais bonitas e interessantes do mundo acabam com relacionamentos ruins. Pensamos que coisas tão superficiais quanto a beleza e o sexo sejam suficientes. Assim, ficamos surpresos quando sex symbols e pessoas consideradas bonitas terminam seus relacionamentos.

Na realidade, o fato de que esse tipo de história que nos choca é importante. O fim de relacionamentos super famosos indicam que para um namoro ou casamento funcionar, precisamos olhar para um conjunto de fatores. Nem sempre esses elementos estão nas trocas que fazemos com nosso parceiro, mas em nós mesmos. Por esse motivo, é importante que você saiba analisar a si mesmo antes de enxergar problemas na outra pessoa.

Elementos para cultivar se você quiser desenvolver um bom relacionamento afetivo

Comunicação

A comunicação em um relacionamento afetivo talvez seja um de seus aspectos mais primordiais, senão o maior. É muito importante para um casal ter as duas habilidades implícitas à qualquer comunicação: o saber falar e o saber ouvir. Uma vez que o relacionamento é composto de duas pessoas distintas, suas personalidades, gostos e expectativas diferem também.

Nós entendemos que seja bacana encontrar alguém que se parece com você em tudo. Porém, isso não significa que se relacionar com alguém diferente seja um problema. Contanto que o casal saiba comunicar suas necessidades e aquilo que esperam um do outro, a dupla tem tudo para dar certo. Contudo, é importante lembrar que não adianta nada comunicar sem que haja a flexibilidade para adotar coisas que façam ambos se sentirem bem com o relacionamento.

Empatia

Com relação a essa flexibilidade, é bacana trazermos o conceito de empatia para a discussão. Hoje em dia esse termo já é bastante conhecido. No entanto, isso não significa que os casais estejam tão preocupados em empregá-lo nos relacionamentos atuais. Em uma época em que vivemos cada vez mais egoístas, é difícil tomar a decisão de colocar-se no lugar do outro intencionalmente.

O problema é que se esse movimento de empatia não ocorrer, o processo de escutar o que o outro pede não vai funcionar muito bem. Há coisas que, para nós, não vão fazer o menor sentido em um relacionamento afetivo, mas vai fazer para os nossos parceiros. Enquanto uma pessoa se sente amada apenas com elogios, para a outra faz mais sentido dar presentes. Esse é só um exemplo de como somos seres distintos com desejos diferentes.

Nesse contexto, às vezes é mais bacana dar um presente de vez em quando do que elogiar todo dia. Caso você não se coloque no lugar de uma pessoa que nunca ganhou presentes da família em datas comemorativas, jamais entenderá o valor que a outra pessoa dá para isso. Por outro lado, é possível que ela não se sinta tão positivamente impactada com elogios.

Responsabilidade Emocional

Aproveitando que estamos falando de expectativas aqui, é importante mencionar que nem sempre tudo o que o seu parceiro precisa é responsabilidade sua. A responsabilidade emocional é algo que você possui apenas sobre sentimentos que cativa em outra pessoa. No entanto, não necessariamente tudo o que a outra pessoa sente ou deixa de sentir é culpa sua.

Assim sendo, os traumas familiares que seu parceiro tem não podem perdurar no relacionamento afetivo que essa pessoa tem com você. Nesse caso, as questões que machucaram essa pessoa não são culpa sua e você deve deixar isso claro. Apesar de ser importante ajudar seu cônjuge, namorado ou companheiro a superar o problema, uma intervenção terapêutica pode ser necessária. Nesse contexto, a constelação familiar parece ser adequada.

Limites

Ainda falando sobre o que é ou não sua responsabilidade, é imprescindível colocar limites em seu relacionamento. Caso a comunicação seja efetiva, muita coisa ficará clara desde o começo. No entanto, há problemas de percurso que só vão começar a aparecer depois de alguns marcos. Por exemplo, você não sabe como será o relacionamento de vocês no que tange ao sexo depois da chegada do primeiro filho.

É muito comum que as mulheres não se sintam prontas para ter uma relação sexual mesmo depois do final da quarentena. Sabendo que o sexo é parte importante do relacionamento, é bacana que o casal vá conversando sobre como vão retomar a intimidade. No entanto, façam isso sem pressões ou colocando a culpa um no outro. Nesse caso, a mulher deve sim impor suas limitações, mas sem fazer seu esposo se sentir culpado por sentir desejo e saudade.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Constelação.

    Respeito

    Por fim, nada melhor para implementar em um relacionamento afetivo do que o respeito, não é mesmo? Respeito, em linhas gerais, envolve todo e qualquer tipo de atitude que você tome no que diz respeito a outra pessoa. Nesse contexto, é importante avaliar como você demonstra a consideração que tem. Principalmente por seus amigos e familiares. Será que é adequado tratar seu parceiro da mesma maneira com que trata a sua família?

    Nesse ponto, é bacana recordar toda a discussão que fizemos acerca de comunicação e expectativas. No começo do relacionamento, o casal deve conversar sobre o que pensam ser suas definições de respeito. Por outro lado, à medida que o tempo passa e o relacionamento vai se estreitando, novas definições podem ser acordadas. O importante é que o casal vá se comunicando. Não deixem suas expectativas como algo para o outro descobrir. Sejam diretos.

    Considerações finais sobre o relacionamento afetivo

    No texto de hoje, discutimos os elementos mais importantes para cultivar em um relacionamento afetivo. Como você viu, as nossas próprias experiências pesam muito em nossas expectativas e em nosso comportamento. Caso se sinta inseguro sobre elas, matricule-se em nosso curso completo de formação em Constelação Familiar e Sistêmica, 100% EAD! Muitas pessoas têm problemas para ajustar o passado de sua família e ter um presente mais equilibrado. Nós podemos te ajudar com isso!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    nove + dez =