Constelação e RelacionamentosConstelação Familiar

Peter Spelter: contribuições à Constelação Familiar

Peter Spelter constelador

As contribuições de Peter Spelter para a Constelação foram diversas. Nascido na Alemanha em 1953, tem formação como técnico em comunicação, professor de Filosofia, Teologia, Alemão e Pedagogia. Além disso, criou uma empresa de transportes.

Peter Spelter foi um dos pioneiros consteladores a abordar a temática fenomenológica de Bert Hellinger em relação à família e à empresa.

Em 199, Peter Spelter criou o “Instituto de Filosofia Prática”, ministrando aulas no Brasil e na Alemanha, além de oferecer cursos sobre Constelação Familiar.

História da Constelação Familiar

O método da constelação familiar é uma das terapias breves. Foi criado na década de 1990 por Bert Hellinger. Este ex-jesuíta alemão deixou o sacerdócio e formou-se em psicanálise na Áustria. Ao final dos estudos, foi-lhe recusado o título de psicoterapeuta. Ele decidiu fundar sua própria técnica.

No modelo da psicogenealogia, as constelações familiares partem do postulado de que nossas dificuldades e nossas neuroses têm raízes em nossa história familiar. Os conflitos não resolvidos pelas gerações anteriores teriam repercussões para o nosso presente.

O objetivo de uma sessão de constelação familiar é extrair do inconsciente esses elementos estruturais da genealogia e os elementos traumáticos potenciais.

Constelações Familiares e Sistêmicas

Desenvolvidas pelo psicoterapeuta alemão Bert Hellinger, as constelações sistêmicas e familiares surgiram no início dos anos 90. A jornada de seu fundador é, no mínimo, surpreendente, já que, antes de se especializar em psicoterapia, ele era um padre missionário na África do Sul.

A partir dessa experiência, ele pode ter relatado a convicção de que palavras, ações e rituais são importantes em uma comunidade. De sua experiência como terapeuta na Alemanha, adquiriu a certeza de que o poder de um sistema familiar condiciona inconscientemente a existência de seus vários membros e isso, ao longo de várias gerações.

Início da Constelação

Quando começou seu trabalho como terapeuta, Hellinger percebeu em alguns de seus pacientes problemas enraizados nos horrores do nazismo, que eles não experimentaram, ao contrário de seus ancestrais.

Será que uma impressão do passado da família pode chegar aos membros da família, nas gerações seguintes? Esta é a base das primeiras reflexões de Hellinger, também inspiradas no trabalho de Théa Schönfelder, Ivan Boszormenyi-Nagy, um pioneiro no campo da psicogenealogia e terapia familiar, e Eric Berne.

A constelação familiar pode substituir a terapia? O que ela busca resolver?

É fundamental avisar que a constelação familiar não substitui a psicoterapia convencional, muito menos dispensa o uso de medicamentos e tratamento psiquiátrico para certas doenças —mesmo porque ela não cura nenhuma doença, apenas serve como recurso para sanar determinados problemas comportamentais e relacionais.

As principais questões levadas à constelação familiar envolvem relacionamentos com o pai e/ou mãe. A aplicação é muito abrangente, mas a maior parte dos emaranhados estão ligados à relação que as pessoas têm com os pais, como a dificuldade de aceitar certos comportamentos deles que rechaçam, mas que não conseguem deixar de reproduzir.

Repetição familiar

Repetições da mesma situação ou história familiar ao longo de várias gerações, segredos de família, quantos de nós nos impedimos de viver como que para expiar uma falta que não é da nossa responsabilidade,

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Constelação.

    É dessa observação e dessas indagações que nasceram as constelações sistêmicas, que buscarão desentupir as trajetórias de vida de pacientes prejudicados no passado.

    Por exemplo, entre os descendentes de vítimas, identificaremos dificuldades para viver feliz. Assim, a proibição da felicidade torna-se um ato de lealdade para com os infelizes antecessores. Ou ainda, nas famílias dos perseguidores, os sofrimentos dos descendentes irão (muito inconscientemente), por solidariedade e culpa, desempenhar um papel de expiação para os algozes de outrora.

    Prática: como são realizadas essas terapias?

    Constelações sistêmicas e familiares são terapias breves organizadas em grupos (na maioria das vezes) na forma de dramatizações.

    • O termo original em alemão “Familienaufstellung” significa “colocar a família no espaço”, a ideia é “organizar” metaforicamente a família no espaço para visualizá-la no espaço e, em seguida, colocá-la de volta.
    • Durante as sessões de trabalho de uma a duas horas, o paciente, denominado “constelado”, escolhe um membro entre os participantes, o “foco”, para representá-lo. E outros que farão cada um os membros de sua família (vivos ou falecidos).

    Então ele os colocará no espaço, para o “sentimento”. Terá então formado a sua “constelação”, que poderá observar de fora como numa tela de cinema.

    Funcionamento da Constelação

    Rapidamente, os representantes da família sentirão emoções (dor, opressão) testemunhas das do antepassado ou dos problemas dos pais cujo papel assumiram. Ao ordenar gradativamente sua história familiar, e auxiliado pelo constelador (o terapeuta), o constelador será então capaz de identificar a origem de seu desconforto, conflitos e permitir-se libertar-se dessa lealdade.

    Contraproducentes que o impedem de viver, mas também interromper o processo geracional e salvar seus filhos do processo geracional.

    “Nenhuma criança é independente de seus pais. Isso não existe. Nenhum ser humano é independente de seus ancestrais, da vida, da morte. Isso não existe. “A liberdade não existe”, disse Bert Hellinger, o pai das constelações familiares. O método das constelações se propõe a tomar consciência dessa realidade de nossas vidas para resolver seus problemas.

    Comunicação de inconsciente para inconsciente

    No modelo da psicogenealogia, as constelações familiares consistem em uma comunicação do inconsciente para o inconsciente que parte do constelado para ir aos representantes. O inconsciente transmitido pelo constelante é o inconsciente coletivo familiar.

    E é dessa transmissão que emergem os elementos estruturais da genealogia ou possíveis traumas. Movendo os participantes até obterem uma representação de sua constelação familiar que lhes convenha, o constelado avança em seu trabalho, dia após dia, para uma consciência de sua história familiar e um reequilíbrio em torno de sua pessoa.

    A psicoterapia também pode consistir em dirigir-se a representantes da família para verbalizar seus sentimentos e se libertar deles.

    Campo energético

    As constelações familiares inevitavelmente fazem pensar em um teatro de cura, mas um teatro cujo único diretor seria o campo de energia!

    Ao trabalhar neste nível de energia, vemos rapidamente o que é verdadeiro e o que não é. Podemos ver isso muito bem na linguagem corporal e também na respiração.

    Um método surpreendente, até desconcertante, mas cujos resultados são igualmente fantásticos. Mesmo que toda cura tenha limites, Hellinger é muito claro: todos temos um destino e não somos mais fortes que ele! Este destino também está no campo energético da família.

    Considerações finais

    Por mais atraente que possa parecer, a constelação familiar tem suas demandas. O processo é muito revigorante, mas não se trata de permanecer superficial, trata- se de envolver-se 100% ! E então devemos ser humildes também, pois é o campo de energia que vai mostrar a direção e até atrair soluções.

    Com toda a contribuição de Peter Spelter e Bert Hellinger para a Constelação Familiar, você pode se tornar um constelador e redirecionar sua vida pessoal e profissional! Conheça o curso de Constelação Familiar da Clínica Constelação e seja protagonista desta nova fase!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    12 − 4 =