Constelação e vida diária

Guarda Alternada dos Filhos: 6 dicas para funcionar

No caso de separação, a guarda alternada dos filhos é uma opção. Por isso, nesse artigo, apresentamos 6 dicas para evitar problemas e conflitos. Confira!

No caso de separação e divórcio, os pais precisam lidar com a responsabilidades dos filhos. Por isso, a guarda alternada é uma das opções disponíveis. Nesse sentido, nesse artigo, apresentaremos 6 dicas para evitar problemas e conflitos. Confira!

O que é guarda alternada dos filhos?

Para começar, saiba que a guarda alternada é aquela em que o filho passa um período igual com cada genitor. Nesse sentido, é comum ele passar uma semana com a mãe e outra com o pai. Assim, a criança ou adolescente convive em duas casas diferentes.

Dessa forma, todas as responsabilidades são atribuídas a cada genitor naquele semana. Ademais, essa guarda prevê o bem-estar dos filhos. Ou seja, uma vez que seja necessária a presença de ambos os genitores na formação das crianças. Então, a ideia é que os filhos convivam com os pais de forma igual.

Ainda, nesse modelo de guarda, cada genitor tem autonomia sobre os filhos. Desse modo, o pai ou a mãe podem tomar decisões sem a necessidade obrigatória de consultar a outra parte.

Ademais, é importante ressaltar também que na guarda alternada o pagamento de pensão alimentícia continua. Afinal, os filhos precisam ter as suas necessidades básicas atendidas.

Diferença entre guarda alternada e guarda compartilhada

Porém, é preciso diferenciar a guarda alternada da guarda compartilhada. Isso porque, muitas pessoas confundem as duas. Por isso, compreenda que na guarda compartilhada, os pais têm igual responsabilidade. Contudo, os filhos moram em apenas uma das casas.

Ainda, enquanto a guarda alternada prevê autonomia dos genitores, na guarda compartilhada o mesmo não ocorre. Isso porque todas as decisões precisam ser acordadas entre as duas partes.

Entretanto, ressaltamos que apenas a guarda compartilhada é prevista em lei. Assim, a guarda alternada não consta no Código Civil. Ademais, muitos especialistas da área afirmam que a guarda alternada não é bem vista pelos juízes. Isso porque, a criança fica sem a referência de um lar, pois há esse revezamento entre as casas.

6 dicas para a guarda alternada funcionar

Agora que já tratamos das principais características da guarda alternada, apresentaremos 6 dicas para que ela funcione. Por isso, confira a seguir.

1. Mantenha sempre diálogo com o outro genitor

Criar e educar os filhos não é uma tarefa simples. Ainda mais quando as responsabilidades são alternadas. Por isso, para que ela funcione bem, é preciso manter o diálogo entre as duas partes. Pois, a autonomia de responsabilidade pode causar diversos problemas.

Isso porque o divórcio pode causar feridas nos genitores. Assim, muitos passam a tomar decisões sozinhos, em especial para provocar o outro. Portanto, lembre-se que o foco é a criança!

Para te ajudar busque manter o diálogo. Então,  utilize um intermediador, como um advogado para tratar dessas questões. Desse modo, você e seu/sua ex-parceiro(a) não precisam se encontrar para resolver as questões pertinentes aos filhos.

2. Mantenha um diálogo sincero com o filho(a)

Neste processo de separação, muitos filhos são deixados de lado. Por isso, é essencial que os pais conversem com as crianças e expliquem a situação. Portanto, lembre-se de ser sincero sobre o que está acontecendo.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Constelação.

Ainda, sempre deixe claro que os filhos não são os culpados do divórcio. Assim, você evita trazer uma bagagem emocional desnecessária para a criança. Ainda mais porque ela já vem sofrendo com os impactos da decisão dos pais.

3. Estabeleça limites em conjunto

Nesse sentido, é preciso estabelecer limites. Ou seja, estipular horários, atividades e regras para que os filhos sigam nas duas casas. Por mais que a guarda alternada dê autonomia aos genitores, preze pela harmonia. Desse modo, a relação entre todos é mais benéfica. Então, os filhos já aprendem que os deveres e as responsabilidades são as mesmas com ambos, pai e mãe.

Leia também:  Suicídio: 7 dicas de prevenção para pais e mães

No caso de filhos mais velhos, esses limites precisam estar ainda mais reforçados. Isso porque esse modelo de guarda dá poder para que eles façam aquilo que querem na casa de um genitor, enquanto o outro o proíbe. Logo, as chances do filho fugir dos conflitos e responsabilidades é maior.

Nesse sentido, questões relacionadas aos aspectos financeiros precisam ainda mais de limites. Por isso, mesada e gastos com lazer também devem ser acordadas. Pois, muitos pais utilizam de presentes e liberdade financeira para manipular os filhos.

4. Evite falar mal do outro genitor

Como mencionamos, a separação causa muitas feridas. Mas, falar mal do outro genitor pode piorar a sua relação com seu/sua filho(a). Se o divórcio já foi uma solução para evitar conflitos, o novo ambiente deve ser livre de disputas.

Ademais, muitos pais podem se aproveitar dessa situação, causando a alienação parental. Desse modo, saiba que você pode causar transtornos psicológicos ao seu filho ao tentar atingir seu ex-parceiro(a). Logo, culpar o outro pela divórcio também piora os relacionamentos.

Ainda, o mesmo se aplica a outros familiares que fazem parte do convívio da criança. Nesse sentido, tios e, em especial os avós, devem evitar comentários negativos e intrigas.

5. Nunca brigue na frente do(a) filho(a)

Muitas sepração acontecem por motivo de brigas. Ainda mais quando há violência física. Portanto, nunca brigue na frente das crianças. Desde cedo elas sofrem as consequências negativas do comportamento dos pais.

Além disso, você é um exemplo para seu/sua filho(a). Por isso, toda a agressividade e rancor que você tem são absorvidos por eles. Logo, pais agressores são uma ameaça para os filhos, que têm medo e raiva. Assim, você pode afastar a criança a médio e longo prazo.

6. Aprenda a controlar suas emoções

Dessa forma, para lidar melhor com essa nova dinâmica, aprenda a controlar as suas emoções. Ou seja, busque maneiras de expressar suas frustrações e decepções com a separação. E claro, longe dos filhos.

Por isso, busque apoio psicológico para conversar “com alguém de fora” sobre o assunto. Assim, você também recebe orientações sinceras sem que tenha alguém envolvido emocionalmente na situação.

Desse modo, o profissional fornecerá apoio e ferramentas para melhorar o seu bem-estar. E, como resultado, estratégias para a hamornia entre todos os envolvidos.

Considerações finais sobre guarda alternada

O divórcio nunca será uma alternativa fácil. Em especial para os filhos, que sofrem diante de um ambiente marcado por conflitos. Então, a guarda dos filhos, independente do seu modelo, tem como objetivo o bem-estar físico e emocional das crianças e adolescentes.

Por isso, nesse artigo, falamos sobre os principais aspectos da guarda alternada dos filhos. Assim, esperamos que você entenda como este tipo de guarda funciona. Além de refletir e aplicar as dicas que deixamos para melhorar a relação entre pais, filhos e ex-pareceiros.

Então, que tal fazer nosso curso de constelação familiar? Dessa maneira, você aprenderá a lidar com os conflitos familiares. Além de aprender técnicas para lidar com uma situação tão dolorosa como a separação. Ademais, você ainda terá acesso a diferentes ferramentas para lidar com a guarda alternada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 + dezesseis =