Constelação e RelacionamentosConstelação Familiar

Definição de família extensa: Sentido para a Constelação

A configuração da família vai muito além do padrão imposto na forma de um casal e seus filhos. Isso se estende para outras formações, dinamizando e multiplicando o que é o conceito de familiar no mundo atual. Descubra o que significa família extensa e como a Constelação familiar a enxerga.

O que é família extensa?

Entende-se por família extensa aquela que vai além da figura do pai, mãe e dos filhos. É a família cujo a presença dos parentes próximos se faz ativa e sempre presente. Por conta disso, a criança acaba conhecendo a amplitude de sua árvore genealógica. Isso permite uma expansão do afeto e afinidade com demais pessoas além dos pais.

Esse tipo de família não existe uma causa aparente para se formar, bastando apenas o agregamento de outros membros. Um avó em idade avançada pode ser convidado pelos filhos a morar com eles a fim de receber cuidados melhores. Além disso, tios ou primos que moram distantes também podem fazer parte desse ciclo, agregando novas interações.

Esse modelo de família, assim como outros, existe há bastante tempo e recebeu proteção própria com menção no artigo 25. Dessa forma, recebe uma atenção e proteção social maior dos indivíduos. Essa, da mesma forma que as outras, serve para quebrar paradigmas do que pode e deve ser a imagem da família.

A importância dela ao fluxo familiar

A família extensa configura uma peça física importante no conceito de seio familiar. Temos ali diversos componentes que, individualmente ou não, contribuem para o campo familiar. As suas interações pessoais e entre si enriquecem o canal que atinge os demais, influenciando em suas escolhas. Dessa forma, presenciamos pessoalmente como alguns contatos se constroem.

De modo que todos possam viver harmonicamente, é preciso conservar e dar prioridade a esse círculo. É por meio dele que aprenderemos valiosas lições sobre crescimento pessoal e comunitário. Cada integrante possui um papel sistêmico a cumprir, de modo que não se substituam, mas, sim, se complementem.

Os maiores beneficiados são as crianças, já que entendem desde cedo o quão diversificada sua família é. Essa convivência alimenta um instinto agregador que é repassado inconscientemente aos descendentes deles. Isso acaba por alimentar um aspecto positivo no campo familiar: a união fortalece o seio familiar e traz bons resultados.

Lições sistêmicas

A família extensa carrega o exemplo perfeito de como as leis sistêmicas devem funcionar para que tudo dê certo. Por meio dela, podemos ver mais claramente como as interações funcionam, de modo que possamos direcionar os resultados. Isso permite resgatar ou manter algumas bases que todo o seio precisava. Isso começa pela:

Lei da ordem

Existe uma hierarquia natural da família que posiciona os indivíduos, ainda que não os faça melhores ou piores que outros. Basicamente, quem nasceu antes tem a prioridade em relação a quem veio depois. Dessa forma, os mais novos devem respeitar os mais velhos. Esses, por sua vez, devem ensinar, proteger e preparar a futura geração.

Lei do equilíbrio

Em momento algum se deve dar ou receber demais de um membro ou de outro. Cada contato físico, psíquico e emocional deve ser dado e retribuído na mesma força e quantidade. Dessa forma, se é amparado por alguém, também procure devolver o gesto. Caso o contrário, seu sistema familiar pode declinar.

Lei do pertencimento

Jamais se deve deslocar um parente da posição natural que este ocupa, independente do que tenha feito. Ele nasceu e pertence naturalmente àquele circulo familiar, de modo que sua existência não possa ser deslocada. Nesse agregamento, é possível permitir uma inclusão de sua presença existencial, de modo a não afetar a harmonia da família.

Tipos de família

Atualmente, o conceito de família vem se reciclando nas mais diversas formas, a fim de proteger suas existências. Cada um recebe uma declaração no ECA, Estatuto da Criança e do Adolescente, sendo reconhecido de forma legal. Independente de sua forma, cada uma trabalha o seu campo familiar na Constelação.

Atualmente, o ECA afirma a existência de três espécies familiares, sendo elas:

Família extensa

A família extensa é o objeto principal desse artigo, elaborada pela inclusão de outros parentes. A dinâmica familiar se flexibiliza e muda, permitindo uma maior interação ao campo familiar. De forma presencial, mais indivíduos participam do movimento do campo familiar, sentindo diretamente a influência dele sobre si mesmos.

Família substituta

É o modelo de família moldado, por assim dizer, já que a Justiça intervém nela. Por conta de problemas familiares, o menor é encaminhado a viver em outro círculo familiar. Os tutores que o recebem jamais devem focar na criminalização dos pais biológicos da criança. Apesar de serem os novos pais ou guardiões legais, devem agradecer aos pais biológicos pela vida e vinda do menor.

Família nuclear

Sendo o modelo mais trabalhado em qualquer âmbito, é a família formada pelos pais e descendentes. Isso inclui também pai e mãe divorciados ou viúvos, mas que ainda mantêm laços com os filhos. Na Constelação, ainda que um ente esteja distante, sua presença ainda é validada pelo campo. As impressões que nutriu em vida continuam afetando os demais, sejam ruins ou boas.

O movimento da família extensa

Percebe-se que muitos se identificam com o modelo de família extensa pelas suas próprias histórias. Talvez na época não se dessem conta disso, mas estavam ampliando a sua concepção do que era um nicho familiar. Os seus campos familiares passaram a ficar ainda mais ativos com as inclusões de novas, mas já pertencentes figuras.

Ao permitir essa inclusão, movimentos quanto ao amor, proteção, divisão e dedicação passam a ser vividos mais intensamente. De modo inconsciente, a criança implementou isso nas próprias ações. À medida em que cresce, reproduz esses laços e os dissemina positivamente para frente. Tal como ela, seus descendentes também se nutrirão disso.

Comentários finais: família extensa

A família extensa vem para mostrar que a nossa ligação sistêmica vai além do nosso pai e da mãe. Há uma certa volatilidade inicial, já que novos integrantes são agregados e mudam diretamente a dinâmica da família. Isso pode ser sentido em como o campo familiar passa a ser trabalhado, dessa forma, influenciando a todos.

Aproveite desse agregamento para conhecer mais a si mesmo e aos outros. É uma oportunidade perfeita para estudar seus movimentos familiares e entender alguns comportamentos que alteram a dinâmica familiar. Com isso, é possível trabalhar e ter uma convivência melhor, tornando o seio familiar saudável por completo.

Isso pode ser feito por meio do nosso curso de Constelação Clínica 100% EAD. É através dele que algumas informações ficam melhores esclarecidas, justificando as ações dos membros. Você se tornará a ponte que guia a todos no processo de crescimento existencial.

Nossas aulas são fornecidas via internet, facilitando o acesso de qualquer pessoa do país ao curso. Em momento algum isso dificulta o ensinamento dos professores, já que os mesmos se fazem presentes a toda hora. Com a ajuda deles deles, você absorverá por completo o material das ricas apostilas, implementando tudo o que seu potencial abraça.

Aproveite da chance de ajudar a sua família e consequente vida profissional crescerem! Faça nosso curso de Constelação familiar. Além disso, se gostou deste post sobre o que é família extensa, compartilhe-o para que outros tenham acesso a essa informação também!

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − 9 =