Constelação e RelacionamentosConstelação Familiar

Família Anaparental: Conheça agora o significado

Como sabemos, o conceito de família vem se diversificando com a passagem do tempo. Se antes tínhamos apenas a formação tradicional reconhecida como tal, hoje diversas composições podem amplificar o significado dessa rede. Conheça mais sobre a família anaparental e como a sua estrutura funciona.

O que é família anaparental?

A família anaparental é o círculo familiar onde a presença do pai ou mãe não se faz ativa. Ao contrário de outros modelos familiares, os genitores não participam da criação física, mental e moral dos filhos. Seja por qualquer motivo, essa responsabilidade é repassada à outra pessoa, geralmente os avós ou tios.

Ainda assim, esse modelo de família não peca em nada em relação a um modelo mais comum. Isso porque os laços construídos também permitem a passagem do afeto e comunhão entre os membros. Graças a isso, acaba por se tornar uma realidade familiar reconhecida socialmente.

Contudo, o mesmo não se aplica ao Estado e aos estudiosos do Direito. Esse modelo de família ainda não é reconhecido judicialmente como tal. Isso porque a Constituição Federal não consegue enquadrar esses indivíduos na exata proteção estatal das demais famílias. Tanto que, até o presente momento, o artigo 226 da Constituição ainda permanece inalterado.

Como se forma a família anaparental

Mesmo que ainda não tenha uma legislação própria, a família anaparental é um retrato cada vez mais comum no Brasil. A cada dia, avós assumem a posição que caberia aos pais, provendo a guarda legal que os netos precisam. A partir daí, as crianças têm, não só os avós, mas tios e outros parentes para compor seu quadro familiar.

Contudo, a formação não se restringe apenas a esse modelo. Os próprios irmãos desamparados podem cuidar um do outro, denunciando uma realidade mais triste. Isso acontece, às vezes, quando eles não têm a quem recorrer. Dessa forma, um filho, geralmente mais velho, acaba suprindo as necessidades emocionais, sociais e físicas dos irmãos.

Além desses, cabe ressaltar que esse modelo não agrupa apenas os familiares. Indivíduos sem qualquer laço sanguíneo podem construir o seu modelo de família e viverem como tal. Isso se constrói, por exemplo, na ajuda física e no apoio sincero da amizade, sem qualquer indução ao sexo.

Vínculos

A família anaparental se apoia nos mesmos pilares de qualquer outro modelo. Ou seja, são eles que ajudam a fomentar e reciclar a relação entre os membros desse novo plano. Graças a isso, podem valorizar a ligação que possuem, usando a para evoluir como indivíduos e como grupo. Em geral, se estruturam nos seguintes pilares:

Amor

Esse já se denuncia no momento em que a realidade é permitida. Cuidar de um indivíduo, mesmo que seja do seu sangue, é um gesto bastante amoroso. Isso porque você está se propondo a se doar por aquele ente e busca ensinar os valores que possui da vida. Dessa forma, acaba por replicar o que carrega de bom em si e observa os efeitos disso na prática.

Carinho

As dificuldades existem, independente da forma de como seu círculo seja composto. Dessa forma, o carinho que ambos dão ajudam a amenizar esses empecilhos. Não o bastante, também servem para mostrar o quanto aquela formação é preciosa. Esse é um aspecto irrevogável desse modelo de família.

Companheirismo

O apoio é uma ferramenta incondicional nessa relação. Ainda que, inicialmente, um dependa mais do outro, ambos se ajudam. Os problemas são divididos e trabalhados de maneira conjunta, de modo a solucionar a situação. Como uma verdadeira família, de modo simplório, um não deixa a peteca do outro cair.

Amparo legal da família anaparental

Como mencionado nas linhas acima, a família anaparental não possui uma legislação que assegure direitos e deveres. Isso implica no modelo unilateral de trabalhar algumas questões familiares. Como esse modelo de família é bastante flexível, legisladores se sentem impossibilitados de trabalhar sobre ele.

Infelizmente, essa situação permite um desamparo legal quanto a algumas questões. Irmãos que crescem sozinhos e constroem patrimônio, por exemplo, não se encaixam no mesmo modelo de uma família tradicional. Não há como, segundo especialistas, enquadrar a situação de ambos em casos mais convencionais e simplistas.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Constelação.

Exemplos 

Ainda que o Brasil tenha se tornado o laboratório desse tipo de realidade, isso pode vir de qualquer lugar. Assim como na realidade, a ficção também se utiliza do tema para abordar alguns aspectos da família. Em parte, assim como na realidade, é o que ajuda a fomentar alguns aspectos da construção familiar. Seja real ou fictício, confira esses casos:

O mundo sombrio de Sabrina

A produção fictícia da Netflix conta a história de Sabrina Spellman, uma garota metade humana e metade bruxa. Quando ainda era bebê, seus pais foram vítimas de um trágico acidente de avião. Dessa forma, sua guarda legal acabou indo para as suas tias, Zelda e Hilda Spellman. E, desde de então, a jovem foi educada e amada por essas duas figuras.

No decorrer da série, podemos notar a relação maternal que as mulheres possuem com a sobrinha, especialmente Zelda. Ela possui uma postura mais rígida e controladora, se opondo à rebeldia natural de Sabrina. Em dado momento, num momento de fúria, a jovem responde que ela não é sua mãe. Devido à ligação emocional que construiu, Zelda se sente profundamente magoada.

Neta postiça

Essa é uma história emocionante correu a internet nos últimos tempos. Uma jovem cuidadora de idosas terminaria em breve o seu trabalho em uma casa de apoio. Neste meio tempo, surgiu uma produtiva amizade entre ela e uma das residentes. Sentindo que a idosa não teria a quem recorrer após a sua saída, essa jovem decidiu adotá-la.

Ainda que pareça inusitado, a mulher conseguiu a guarda legal da mulher e passou a cuidar dela como sua avó. O ato foi louvado por muitas pessoas, que parabenizaram a iniciativa de prover condições melhores à idosa. Note que não se trata de bens materiais, mas, sim, afeto, cuidado e proteção.

Comentários finais sobre a família anaparental

A família anaparental é uma realidade cada vez mais vigente no país. A cada dia, surgem novos relatos de uma construção nova em andamento. Independente disso, a mesma trabalha como qualquer outra, propondo aos amparados a realidade mais próxima à qual eles teriam com os pais.

Infelizmente, ainda não foi trabalhado um amparo satisfatório a esses membros. Dada à dinâmica de formação entre os membros, a legislação se encontra perdida em como trabalhá-los. Cabe a nós também ajudar a procurar por soluções que mudem essa realidade.

Sugestão para o desenvolvimento pessoal

Independente da formação, a família possui uma estrutura semelhante que, às vezes, precisa ser trabalhada. Neste caminho, entre em contato conosco e se inscreva no curso de Constelação Familiar EAD. Qualquer que seja a causa, o curso servirá de guia para entender alguns pontos que podem atrapalhar a sua vida.

Por meio das aulas online, professores qualificados entregarão o mais completo conteúdo disponível do mercado. Você estuda sempre que quiser e com a garantia de absorver o melhor conhecimento possível. Sem contar o preço, já que tem acesso a uma educação de qualidade pagando pouco por mês.

Garanta já um conhecimento amplificado sobre você e os outros e sobre modelos familiares como o da família anaparental. Faça já sua formação em Constelação familiar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + um =