Constelação e RelacionamentosConstelação Familiar

O que é Exclusão na constelação familiar?

excluir um familiar

Para entender melhor a constelação familiar e o que é exclusão na constelação familiar, é necessário entender as três ordens ou leis que regem os sistemas familiares. Isto é: a lei da associação; lei da hierarquia e a lei do equilíbrio entre dar e receber.

O que é lei?

O termo “lei” deve ser entendido como o que está por trás de relações equilibradas dentro de uma família e que permite que todos se sintam em casa e vivam sua própria vida.

Isso significa que ninguém pode ser excluído de sua família ou meio sistêmico. E por pertencer entendemos o direito de pertencer a um sistema familiar, de ter um lugar nele, de ser visto e reconhecido ali (o que não significa ser apreciado).

Além disso, a criança faz tudo o que pode para pertencer ao seu sistema, adotando inconscientemente os sistemas de valores e crenças, os comportamentos do meio em que está imersa. É a esse preço que ele pensa que pode ser amado e reconhecido. É assim que ele se protege da culpa e da rejeição.

Quem pode pertencer a um sistema familiar?

  • Todos os seus ascendentes e descendentes, é claro, vivos e mortos, bem como seus irmãos e seu cônjuge .
  • Crianças mortas ou natimortas e abortos ou crianças abortadas.
  • Tios e tias, bem como tios-avós e avós.
  • Qualquer pessoa cujo destino esteja vinculado ao sistema: por exemplo, ex-parceiros, pessoas espoliadas, sacrificadas ou mortas por alguém de sua família. Além disso, pode ser também uma babá que ocupou um lugar especial, pais adotivos e filhos adotivos, pais biológicos se houve adoções na família, etc.

Quais são os motivos que levam o sistema a excluir ou rejeitar certos membros da família?

Qualquer coisa que possa ter causado culpa, vergonha ou muito sofrimento pode ser reprimida pelo sistema e gerar silêncio e exclusão. Assim, as pessoas que morreram durante o parto, suicídio, deficientes, assassinos e pessoas que foram presas, são muitas vezes obscurecidas pelo sistema e, portanto, excluídas.

No entanto, o sistema não apoia a exclusão e, neste caso, um “inocente”, ou seja, um descendente desse excluído, se encarregará de seu destino para mostrar que há um excluído para se reintegrar.

Enquanto o seu lugar não lhe for devolvido, “o inocente” viverá uma vida por procuração, reproduzindo os problemas do irmão mais velho e vivendo uma vida sentindo emoções que não lhe pertencem.

A lei da Hierarquia

Cada um ocupa um lugar na família dependendo da ordem de chegada. Quando essa lei não é respeitada, surgem conflitos e rivalidades, prejudicando o equilíbrio familiar.

Os pais precedem os filhos. Portanto, os pais devem ser respeitados e honrados por seus filhos. Eles deram-lhes a vida e cuidaram dela com as capacidades que eram deles. Assim, o filho que se considera superior ao pai, que o julga ou apoia (exceto no caso dos idosos), que quer se sacrificar para salvar o pai, se coloca acima do pai e não respeita a hierarquia.

Cada um dos irmãos (incluindo abortos espontâneos e filhos falecidos) tem seus lugares por ordem de chegada. Isso também é verdade quando há crianças de casamentos diferentes. Todo mundo tem um lugar de acordo com sua data de nascimento.

Exemplos

Assim, o 1º filho de um novo casal poderia ser o 1º para a mãe e o 2º para o pai. Quem se coloca acima dos mais velhos ou ignora a existência de filhos de outros leitos, corre o risco de gerar conflitos e de ter dificuldade em encontrar o seu lugar na vida.

No caso de um casal misturado, os filhos do primeiro casal vêm antes do novo cônjuge. Já os filhos do novo casal virão depois dos filhos do primeiro casal, depois do casal dos pais.

Leia também:  Como é feita a Constelação Familiar? Entenda

Na prática, isso significa que uma 2ª esposa ficaria com ciúmes da menina de seu novo parceiro que não respeita seu lugar. Claro, ela é a adulta e tem certas prerrogativas, mas a 1ª criança tem prioridade e o cônjuge deve dar-lhe tempo de forma privilegiada.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Constelação.

Relacionamentos

O primeiro parceiro (ou primeiro amor) e os seguintes têm o seu lugar. Para ter a chance de ser feliz em um novo casal, é importante respeitar o (s) parceiro (s) anterior (es) do outro (o seu também!).

Isso não significa valorizar o comportamento deles, mas honrar seus lugares e o fato de meu parceiro ter crescido graças a ele. Em caso de desrespeito, é um filho do novo casal que pode se identificar com um parceiro anterior e vivenciar uma relação de rivalidade, raiva, tristeza com um ou ambos os pais.

Vale frisar que os pais biológicos precedem os pais adotivos e, portanto, devem ser homenageados em quaisquer que sejam as condições do abandono do filho. Essa regra costuma ser controversa. Com efeito, não se trata de conceder um lugar de acordo com o amor que se tem por alguém, mas de respeitar uma ordem, a da hierarquia.

A lei do equilíbrio entre dar e receber

As duas primeiras leis são frequentemente interdependentes, por exemplo: ao ignorar a existência de uma criança natimorta (desrespeito à lei de filiação), isso também muda os lugares entre os irmãos (problema de hierarquia).

A última lei é, sem dúvida, aquela que mais causa mal-entendidos, até mesmo oposição. Na verdade, parece ir contra uma avaliação do sacrifício ou do dom gratuito, muito visto em nossas sociedades judaico-cristãs.

Porém, o que se observa nas constelações é que deve haver uma busca pelo equilíbrio entre DAR e RECEBER em um relacionamento.

Abordando a exceção imediatamente

O relacionamento pai/filho com efeito, os pais dão e a criança recebe. Está na ordem das coisas. Como a criança nunca poderá devolver o que recebeu aos pais (vida, cuidados, etc.), ela só pode restaurar o equilíbrio devolvendo um dia aos seus próprios filhos ou transmitindo aos outros. Portanto, os pais também não têm o direito de reivindicar o “retorno do investimento”.

Fora deste caso, qualquer desequilíbrio pode significar o fim do relacionamento se não houver possibilidade ou desejo de reequilíbrio. Da mesma forma, a busca pelo equilíbrio perfeito sinalizaria o fim da relação.

Por exemplo, se um amigo lhe der 100 gramas de chocolate de presente um dia e na próxima vez que você der o mesmo presente, você indica a ele que está quite e que o relacionamento pode terminar.

Considerações finais sobre exclusão na constelação familiar

Existem diversos meios de se causar a impressão de exclusão na Constelação Familiar. Mas a verdade é que ela nunca se dá de fato. Gostou do artigo sobre exclusão na Constelação Familiar? Conheça nosso curso de Constelação Familiar e inicie um novo trajeto pessoal de autoconhecimento!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 4 =