Constelação e Relacionamentos

Criador da Constelação Familiar: quem é?

quem é o criador da constelação familiar

Se você quer saber quem é o criador da Constelação Familiar, continue lendo este artigo. Vamos explicar tudo sobre quem criou a constelação familiar e sistêmica, sua vida, sua trajetória, seus principais conceitos.

O pai ou criador da constelação familiar é Bert Hellinger. Ele é uma das figuras mais importante no campo da Psicoterapia. Para entender a sua teoria da terapia sistêmica e familiar, é importante ter em mente alguns aspectos sobre a sua vida. Cada uma dessas experiências criou o ambiente perfeito para que fosse lançada uma das principais teorias do mundo psicoterapêutico: a Constelação Familiar.

Este ilustre psicoterapeuta nasceu na Alemanha em 1925. Ele estudou na Universidade Alemã de W’rzburg, entre os anos 1947 – 1951. Sua formação foi nas áreas de Filosofia, Teologia e Pedagogia.

Além disso, ele obteve um diploma em Artes pela Universidade de Natal da África do Sul. Depois disso, estudou na Universidade, conseguindo o diploma de Educação Universitária.

O que é uma Constelação Familiar?

Ela é conhecida como um método preparado para ajudar qualquer pessoa a superar dificuldades que vêm de gerações passadas. Quem começou este sistema foi o próprio Bert Hellinger. Vale dizer que a Constelação Familiar consegue envolver aspectos de diversas ciências, como a Filosofia, a Teologia e a Pedagogia. É da combinação de todas essas disciplinas que vem a Constelação.

Qual é o papel das constelações familiares?

Você se aproveitará dessa metodologia na hora de lidar com os traumas causados pelas gerações anteriores. Isso porque ela se baseia na ideia de que qualquer aspecto da vida de uma família pode causar trauma para os seus integrantes.

Por exemplo, qualquer conflito como guerras, perdas prematuras de pais ou filhos e abortos podem ter sua influência na vida dos membros de uma família. Uma maneira de tratar os transtornos que eles causam é a utilização desse método.

Como é uma sessão de Constelação Familiar?

A terapia geralmente é feita em uma ou duas sessões com um grupo de pessoas.

Oficina em grupo

Nesse caso, o cliente escolhe outros participantes para representarem as pessoas envolvidas em seu problema. Em seguida, os participantes se revezam dando vida às pessoas envolvidas nos problemas uns dos outros. Alguns conflitos mais profundos podem exigir mais sessões.

Constelações individuais

Algumas figuras como bonecas e também papéis são usados para a constelação individual. Isso porque, para perceber a energia, é necessária a presença única do cliente e da constelação. A sessão se baseia na ideia de que é possível haver cura quando se estabelece conexões com o destino de todos os ancestrais.

Quem faz parte do sistema familiar?

De acordo com Bert Hellinger, o sistema familiar de uma pessoa consiste em:

  • irmãos;
  • pais, tios e avós;
  • sócios e ex-parceiros, filhos e netos;
  • pessoas que, ao perderem seu lugar, permitiram que outro indivíduo o tivesse. Por exemplo, a primeira esposa do avô, que morreu dando à luz, ou o primeiro cônjuge de uma pessoa que deixou a relação depois de ter gerado filhos.
  • pessoas que têm um vínculo de agressão. Por exemplo, um indivíduo que causou a morte de um membro da família ou que morreu nas mãos de um desses integrantes.

A alma da família

De acordo com as ideias da Constelação Familiar, há um grupo ou uma consciência coletiva que opera inconscientemente. Bert Hellinger dá a esse conceito o nome de “alma da família”. Assim, qualquer desordem ou problema que afete um membro da família tem um impacto sobre os outros.

Disso deriva o nome da técnica: constelações familiares. Trata-se de constelações porque estamos todos ligados aos outros membros do nosso sistema como as estrelas no universo.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Constelação.

    Uma questão histórica: quem criou a Constelação Familiar?

    No passado, a família e o clã eram cruciais para a sobrevivência de um indivíduo. Assim, os interesses coletivos estavam acima dos de seus membros. Nesse contexto, se os integrantes do grupo não priorizassem o benefício do coletivo, a rejeição ou a culpa poderiam ser vivenciadas.

    A sociedade de hoje é mais elástica. De acordo com Hellinger, esses padrões ou forças continuam a operar inconscientemente. Assim sendo, o objetivo das constelações familiares é trazer à luz a dinâmica interna da família que impede que o amor flua adequadamente.

    As leis da ordem do amor familiar

    Para isso, é necessário que haja uma ordem nos sistemas familiares. Hellinger afirma que ela diz respeito a leis muito simples. Estas são as seguintes:

    Primeira lei

    Membros anteriores prevalecem sobre os subsequentes. Dessa forma, os ancestrais têm precedência sobre os seus descendentes, os pais sobre as crianças, os irmãos mais velhos sobre os menores, etc.

    No entanto, quando se trata de sistemas, o sistema atual sempre tem precedência sobre o sistema de origem. Por exemplo, quando uma pessoa presta mais atenção à sua primeira família, negligenciando o núcleo que criou (cônjuge e filhos), ela coloca em risco esse novo grupo.

    Segunda lei

    Todos os membros do sistema familiar têm direito à adesão. Ninguém pode ser excluído sem consequências. Vale dizer que existem duas maneiras de excluir um membro do sistema:

    1. quando considera-se o seu comportamento errado, já que ele não se adapta às regras. “Ovelhas negras” (o que é o caso de desajustados, criminosos e doentes mentais) são excluídas por essa razão. Mas se elas não receberem seu lugar na família, um membro posterior provavelmente desenvolverá comportamentos ou patologias que “lembrarão” aquele membro excluído. A solução é reincluir a pessoa na “foto de família” interna.
    2. o esquecimento de alguém (geralmente um bebê ou criança) que morreu prematuramente. Isso acontece porque a lembrança causa dor extrema aos pais e familiares. Assim, eles agem como se os mortos não houvessem existido. A solução para isso é dar a essa pessoa um lugar nos corações e pedir-lhes internamente para cuidar de sua família. Claro que tudo dependerá das suas crenças.

    Terceira lei

    Nas relações entre pais e filhos, os primeiros devem dar amor, sustento, atenção e tempo. Seus filhos, por sua vez, restaurarão o equilíbrio dando o mesmo tratamento aos seus descendentes.

    Em relações igualitárias, como casais, ambos devem agir semelhantemente para que a relação possa florescer e prosperar.

    Consideração finais sobre Bert Hellinger: criador da Constelação Familiar

    Como você pôde ver, a terapia sistêmica e familiar foi proposta pelo pai da Constelação Familiar, Bert Hellinger. Seu objetivo é canalizar a vida de pessoas que psicologicamente não estão em um estado de felicidade e que, por essa razão, querem fazer algo para mudar suas vidas.

    Dentro da Constelação, uma energia é gerada na forma de vibrações. Assim, é importante que você entenda que influencia esse campo energético ao assumir suas ações e pedir perdão. Fazendo isso, certamente você fará o aspecto energético ao seu redor mudar. Como resultado, vai ter um novo cenário, que estará livre de heranças passadas.

    Todas as pessoas que participaram de uma Constelação Familiar concordam que, por mais que ela seja bem explicada, essa é uma experiência que só é compreendida em toda a sua intensidade por quem realiza uma sessão. Se você deseja viver isso para melhorar a sua vida, te convidamos a aproveitar das ideias do criador da Constelação Familiar e fazer o nosso curso online de Constelação Clínica. Portanto, corra e se inscreva já!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    quinze − 12 =