Constelação e vida diária

Consumismo Excessivo: definição, causas e como evitar

consumismo excessivo

Na atualidade, os seres humanos estão sendo taxados, principalmente, pelo que eles têm, e não pelo que eles são. O consumismo excessivo moldou nossa sociedade e, agora, é difícil se livrar dele. Por isso, vamos te explicar o que é considerado um consumo excessivo, o que causa isso e como se livrar desses hábitos.

Está preparado para melhorar sua vida, tanto pessoal quanto financeira? Então continue a leitura!

O que é consumo e consumismo?

Para falar sobre consumismo, primeiramente precisamos definir o que é o consumo e o que é o consumismo.

  • Consumo – consiste no movimento de bens e serviços entre as pessoas e comunidades. Ou seja, é a aplicação das riquezas de uma pessoa para satisfação de suas necessidades. Assim, para os indivíduos, consumir significa incorporar algo à própria realidade.

A forma mais conhecida de consumo é o comprar, mas estamos consumindo também quando vemos, ouvimos e sentimos quaisquer tipos de informações e produtos que passam a fazer parte da nossa vida.

  •  Consumismo – Já consumismo é o ato de consumir ou comprar em excesso. O ser humano está constantemente buscando o prazer e a fuga das dores e problemas que o afligem, e tenta sanar isso comprando coisas. 

O que gera o consumismo excessivo?

O consumista encontra no consumo uma forma de prazer, tentando anular parte da dor. Hoje em dia, os meios de comunicação divulgam produtos e serviços vinculados a essa sensação de prazer. Você já viu alguma propaganda que associa a compra de produtos em shoppings apenas para se distrair?

Tal fato está tornando a sociedade cada vez mais consumista, na qual as pessoas buscam a felicidade através do consumo exagerado. Com isso, visando suprir o seu vazio emocional.

O correto seria que as pessoas adquirissem bens para suprir suas necessidades, mas o que vemos, muitas vezes, é que as pessoas não conseguem resistir a uma nova compra.

O consumismo excessivo é maléfico para a saúde?

O consumo exagerado pode se tornar uma doença, em que o consumista só consegue obter prazer ao comprar coisas. Assim, não resistindo ao impulso da compra, mesmo que estas não tenham utilidade e mesmo que  a pessoa não tenha condições financeiras. Com isso, se sentindo muitas vezes culpado após o ato da compra.

Geralmente, as compras são feitas quando o indivíduo está triste, com medo, raiva ou ansioso. Assim, ele compra quando apresenta necessidade de ser aceito, de diversão ou quando está com baixa autoestima. Ou seja, quando o mesmo apresenta um quadro de desequilíbrio emocional.

O consumismo excessivo é um comportamento compulsivo. A compulsão é caracterizada pela repetição do consumo de forma excessiva sem que haja reflexão a respeito. Outra característica importante tem relação com a questão da gratificação ou alívio da ansiedade e angústia.

Como  podemos saber quando  o comprar é compulsivo?

Você sabe como identificar uma compulsão relacionada com as compras? A principal característica é a desvinculação entre o que se compra e o que é necessário. Entre elas, podemos destacar:

– Sensações de impulsos incontroláveis por compras, tornando a vontade comprar como insuportáveis ou irresistíveis.

 – Relação entre as compras e a ansiedade.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Constelação.

    – Interferência do hábito de comprar na vida, como prejuízo social, perda de tempo, problemas financeiros e no trabalho.

    – A sensação de que algo está sempre faltando, e que só pode ser preenchido por algo novo comprado.

    10 sinais de que o consumo excessivo está levando a sua felicidade embora

    Fazer compras, se divertir com os amigos, quem não gosta, não é? O hábito de consumir já faz parte da rotina do brasileiro, no entanto, esse costume pode se tornar um vício interminável e desencadear em uma série de doenças.

    Esse nome se dá à oneomania, mais conhecida como consumismo compulsivo. A doença atinge entre 2% e 8% das pessoas ao redor do mundo, independente se tem ou não dinheiro. Pensando nisso, separamos 10 principais consequências desagradáveis do consumismo exagerado para você refletir.

    • Não dorme bem

    Quem abusa não percebe a insônia. A vontade de gastar faz com que a pessoa não sinta sono frequente, o que gera ansiedade e uma rotina dependente de consumo.

    • Alimenta-se mal

    O organismo percebe quando as coisas não caminham da maneira certa. Uma das primeiras reações é a alteração na ingestão de alimentos. Algumas pessoas comem mais do que devem, situação também relacionada à perda de fome.

    • Uso indevido cheque especial/ cartões de crédito

    As pessoas não identificam que entraram em um caminho sem volta, pois é de praxe imaginar que logo elas vão parar ou solucionarão o problema. Uma sugestão é pedir ajuda a um familiar ou contratar um contador.

    • Embaralha as contas

    Aí que mora o perigo! Na hora de fechar o balanço mensal, a pessoa se perde – ainda mais quando se calcula juros – e deixa virar uma bola de neve. Resultado: dores de cabeça.

    • Mudanças de humor ou melancolia

    São visíveis as alterações de comportamento. Por exemplo, quem bebe demais age lentamente, podendo ser agressivo. Os endividados reagem com atitudes involuntárias como mexer pernas e braços, mau humor frequente e cultivo da violência física e moral.

    • Esconde as compras dos familiares

    Ocultar as compras da família ou guardá-las em casa e fazer de conta que não é de origem própria são sinais de preocupação. Esse comportamento se torna repetitivo se não houver controle. Fique atento!

    • Descuida do relacionamento

    O companheiro percebe mudanças no semblante do parceiro. Diante da dificuldade do consumista em admitir o próprio descontrole, brigas e separações estão próximas de acontecer.

    • Nega a verdade

    Esse tipo de pessoa ignora os prejuízos à volta. Entenda que viver na negação é fuga da realidade. Se não há noção dos gastos, é hora de reavaliar os hábitos antes que seja tarde.

    • Fica sem noção

    As pessoas perdem o rumo da verdade. Os consumistas em excesso enfrentam filas, acordam cedo para ir ao local comprar o objeto desejado, brigam com atendentes e outros clientes. Preocupante!

    • Perde objetos conquistados

    Pessoas que gastam além do limite deixam de cultivar os objetos conquistados antes do vício. Conforme o tempo passa, os materiais ficam enferrujados ou quebrados, mesmo assim, o consumista segue adquirindo novos utensílios.

    Como lidar com o consumo compulsivo?

    Para lidar com esse problema, que pode se tornar uma doença, é indicado o acompanhamento psicoterapêutico, seja ele de qualquer abordagem.

    Assim, a Constelação Familiar Sistêmica pode ser de grande valia para lidar com o consumismo excessivo. Na Constelação Familiar, podemos analisar a forma com que a família se relacionava com os outros e com o dinheiro.

    Muitas vezes, podemos encontrar pessoa que se negam a receber, por medo de ter que recompensar. Isso pois acham que sem receber não vão ter obrigações, ficando basicamente livres.

    Ocorre que quem não aceita receber acaba ficando à margem, necessitando de formas de compensação para suprir a falta do amor.

    Considerações finais 

    Todas as relações funcionam mediante o dar e receber. Quando uma pessoa se nega a tomar o amor que recebe, ele pode buscar compensar essa necessidade com o consumo de bens materiais.

     Tal fato, além de atrapalhar a vida da pessoa pelo consumismo, pode colocar as relações em perigo. Isso porque tais pessoas nunca estão satisfeitas. O consumo torna-se cada vez mais o centro da vida, enquanto a vida, o amor, a fidelidade continuam a ser bens inestimáveis. 

    Por fim, o consumo, que se nutre da exigência, é um substituto do receber no campo das relações e impede a satisfação. E a Constelação Familiar e Sistêmica pode mostrar o porquê da dificuldade em receber, gerando um relacionamento saudável e diminuindo o consumo.

    Conclusão 

    Gostou do artigo? Então deixe um comentário sobre suas experiências relacionadas ao consumismo. Você se considera uma pessoa consumista? Continue acompanhando nosso blog para descobrir muitas aplicações da Constelação Familiar em nossas vidas!

    O artigo presente foi desenvolvido por Vivian Medina Guardia, exclusivamente para o nosso Blog.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    13 + doze =