Constelação e RelacionamentosConstelação Familiar

Castigo na constelação familiar

castigo constelação familiar pais filhos

Desde cedo, nos comportamos de determina maneira e excedemos alguns limites. Assim, para refrear a ação, nossos pais e responsáveis aplicam o castigo como forma de punição. Nesse contexto, a Constelação Familiar pode nos ajudar a entender a introdução dessa medida.

O que significa o castigo?

De acordo com o dicionário, castigo significa “sofrimento físico, moral ou outro que se inflige a alguém por ter feito algo considerado condenável; punição; pena”. Como forma de punição por ter praticado um comportamento errático, os pais o aplicam como forma de correção.

Assim, quando os filhos desobedecem determinada ordem, aplica-se o castigo como forma de punição. O intuito da pena é fazer com que ele reflita sobre o erro e evite ações futuras que desagradem os responsáveis. Contudo, apesar de acharem que é o fim do mundo, a medida tem um lado positivo que será mostrado ao longo do texto.

Castigo na visão dos pais e dos filhos

Os pais e filhos têm uma visão diferente sobre o assunto. Enquanto os primeiros acham que é necessário, o segundo acha que é injusto. Em uma coisa ambos concordam: é uma medida desagradável.

Ao longo da vida, os pais trabalham para estabelecer um vínculo com os filhos. É um trabalho delicado e cuidadoso, como erguer um muro firme encaixando tijolo por tijolo. Devido à experiência, eles têm mais autoridade para discernir o que pode ser bom ou não. Quando essa barreira é quebrada, ao se sentirem desafiados e feridos pela desobediência, a aplicação do castigo se mostra uma alternativa necessária.

O jovem, ao receber a punição, quase sempre a acha arbitrária e injusta. Isso vai contra o seu desejo de descoberta. A repreensão muda a imagem dos pais em sua mente, mostrando figuras distorcidas dos mesmos. Assim, sem um guia ou orientador, não poderá chegar ao entendimento de que o castigo serve para auto avaliação, onde ele tem de perceber onde errou.

A importância do castigo

Apesar de ser uma palavra com conotação ruim, devemos entender, antes da criança, a intenção da repreensão. Uma criança sente-se livre, naturalmente, para fazer o que o seu desejo manda. Sob o cuidado dos pais, o jovem, mesmo que inconscientemente, tem a ideia de que suas vontades são primordiais, ainda que haja limitações ou ponha risco em sua saúde.

No entanto, ao exceder o limite imposto por eles, a criança quebra uma barreira de autoridade. Ela precisa entender que o castigo serve como consequência para uma intransigência e que ela precisa ver onde errou. Assim, a punição deve ser recebida como lição, de forma a aprender com aquele erro.

Apesar de serem encarregados de aplicar tal correção, os pais precisam entender a situação para levantar os argumentos corretos e necessários. Cabe a eles explicar o que motivou a punição e fazer com que o filho entenda e a receba. A noção precoce de que todo ato tem consequência é melhor construída quando o jovem ainda está crescendo.

Excessos

Ainda que seja uma forma de repreender o jovem por suas atitudes, o castigo passa a ser agressão quando rompe o limiar de se educar. Isso porque pais despreparados recorrem facilmente à violência física para refrear a atitude do filho. Assim sendo, alguns dos recursos abaixo são os mais recorrentes:

Palmadas

Embora seja uma medida óbvia, as palmadas provocam danos psicológicos além dos físicos. Isso porque há uma diferença entre respeito e medo. O primeiro é conquistado através de afeto e disciplina constante. O segundo, mais fácil, é adquiro através da violência e repressão contínua.

Gritos

No mesmo caminho das palmadas, os gritos também são uma forma de agressão. Comumente, o ato de gritar é usado quando não se recorre a recursos melhores e o adulto quer terminar o episódio de conflito com rapidez. Contudo, gritos constantes provocam ruptura no comportamento da criança, que cresce num seio familiar como uma pessoa reprimida.

Agressões

Por uma falha na própria educação, alguns pais recorrem à violência física como forma de refrear os filhos imediatamente. Infelizmente, há quem concorde com a ideia de uma intervenção mais grave. São comuns os relatos onde a agressão deixa marcas graves no corpo do jovem, como tapas, socos e casos onde a vida da criança quase se extingue.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Constelação.

    Consequências do castigo mau ministrado

    O seio familiar é como uma árvore que nutre o futuro da criança. Assim, através dele, as crianças tomam o que receberam para construir o próprio futuro. Isso inclui os bons e maus exemplos.

    Nesse contexto, especialistas proíbem o uso de medidas mais drásticas, como as palmadas. Isso porque o descontrole em aplicar esse tipo de punição provoca danos à saúde da criança enquanto se desenvolve. Veja abaixo algumas consequências do castigo mau ministrado:

    Autoestima

    Por ter crescido em um lar onde a repressão era excessiva, a criança perde facilmente o conceito de autoestima. Isso se deve ao fato de os pais não exercerem o reforço positivo, elogiando o jovem por atitudes construtivas, focando apenas nos erros. Isso faz com quem a criança não acredite no próprio valor como indivíduo.

    Amor ao próximo

    Incapaz de conhecer algo além do castigo em excesso, ela começa a dar pouco valor às relações humanas. Com isso, as relações de afeto tornam-se algo distante para ela. Assim sendo, sem conhecer os benefícios da mesma, não compreenderá o valor do amor em sua vida.

    Repetir

    Os adultos são reflexo do que receberam quando crianças. Para o bem e para o mau, eles reverberarão o que lhes foi dado quando pequenos. Assim, uma criança que absorveu repreensões em excesso provavelmente irá retribuí-las quando as posições se inverterem e elas estiverem na antiga posição dos pais. Embora, às vezes, não se note o rancor, trata-se de um nó amarrado ainda na infância que não foi desatado.

    Tensão

    Por ficar exposta frequentemente a situações de repressão, a criança desenvolve um quadro de estresse e torna-se sensível a pressões maiores. Quando adulto, o estresse se torna mais visível devido às interações diárias e aos compromissos no trabalho. Com isso, há uma chance de desenvolver problemas de saúde, devido à frequência.

    Insegurança

    Sem a ajuda necessária para tomar decisões quando menor, a versão adulta enfrenta dificuldades em fazer escolhas. Isso se deve ao fato dela duvidar das próprias capacidades diante de vários caminhos. Desse modo, tem sua vida pessoal e profissional bastante prejudicada.

    A família é a âncora à criança. É esse poderoso círculo que dispõe das ferramentas que o jovem precisa para crescer, moldando o seu caráter e comportamento quando adulto. Entretanto, educar não é tarefa fácil e a criação pode esbarrar em alguns conflitos. Nesse contexto, deve-se mostrar ao jovem o que ele fez de errado e que ele precisa entender as consequências.

    Assim sendo, o castigo serve para que ambos reflitam. Tanto ao jovem, para aceitar que na família e na vida existem regras, como para os pais, a fim de que percebam comportamentos nocivos e trabalhem juntos para removê-los. Embora devamos elogiar uma criança sempre que se portar bem, devemos intervir em comportamentos erráticos quando necessário.

    Agora é com você. Se tem dúvidas quanto a imposição do castigo nos filhos, entre em contato com a gente. Nossos cursos possuem uma metodologia eficaz que podem te auxiliar na educação dos filhos e, mesmo à distância, oferecemos todo o suporte necessário para que você construa um ambiente de aprendizado fértil. Afinal, somos reflexos do ambiente onde crescemos. Clique aqui para saber mais.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    3 × 1 =