Constelação e vida diáriaConstelação Familiar

A Grande Família: análise da série e dos personagens

Quem assistiu a TV aberta entre 2001 e 2014 dificilmente não assistiu também A Grande Família. Afinal, quem não gostava de rir das aventuras de uma família que parecia tanto com a nossa?

Essa era a grande graça da série: as semelhanças que encontrávamos. Claro que não era uma cópia fiel, mas muitas situações eram reconhecíveis. Assim sendo, é disso que falaremos por aqui hoje.

Vamos analisar a história da série de maneira geral e depois falaremos um pouco de cada personagem! Confira!

A Grande Família

Inauguração

Vamos começar situando essa série brasileira. Ela foi exibida pela Rede Globo entre 2001 e 2014, com estreia no dia 29 de março de 2001. Porém, ela não é uma série totalmente original. Você sabia disso? Trata-se de uma reinterpretação contemporânea da série original, também produzida pela Rede Globo, mas entre 1972 e 1975. Se você não chegou a assistir, provavelmente seus pais se lembram dessa primeira versão!

Tendo isso em vista, os personagens foram atualizados e incorporados à realidade atual. De outro modo, a identificação não seria tão efetiva.

Personagens

Além desses personagens centrais que ganharam uma nova roupagem, outros personagens foram incorporados à história. Consequentemente, a série deixou de focar apenas na família e assumiu questões mais amplas.

Enredo

Em relação a trama, a história mostra os prazeres e desprazeres da família Silva. Seus membros são uma família de classe-média brasileira, moradora de um subúrbio na Zona Norte do Rio de Janeiro. O patriarca é Lineu Silva, um fiscal sanitário politicamente certinho e responsável. Sua esposa e a grande mulher da história é Nenê (Irene), uma exemplar dona de casa.

O casal tem dois filhos: Bebel (Maria Isabel), que é casada com o empresário taxista, Agostinho Carrara; e Tuco (Artur), um ator. Do relacionamento de Bebel e Agostinho nasceu o Floriano, personagem esse que puxa a malandragem do pai.

Dentre os personagens secundários há alguns que se destacam, como por exemplo: Beiçola (Abelardo), dono de uma pastelaria; Paulão (Paulo Wilson), mecânico amigo e funcionário do Agostinho; e Marilda, melhor amiga de Nenê.

O núcleo familiar de A Grande Família

Na história, fica nítido como as experiências vividas no núcleo familiar influenciam em nossos comportamentos. Como veremos na análise dos personagens mais abaixo, o comportamento de um pai pode refletir em um filho. Dessa forma, um valor aprendido e internalizado é mantido mesmo na dificuldade.

Como toda a série longa, em cada capítulo há uma tensão a se desdobrar. Ou seja, há um novo obstáculo a superar. Porém, a família é sempre entendida como o tema principal, inclusive no tocante aos enredos que dão mais atenção às vidas dos agregados.

Assim, a série nos ensina que nenhuma família é perfeita, mas que toda família molda seus membros. Dito isso, passaremos agora à análise de alguns personagens.

Floriano (Rogério Cardoso)

Floriano era o pai de Nenê. Na série, foi interpretado até 2003, ano em que Rogério Cardoso faleceu. Ele era um ponto importante na série, pois era o sogro do personagem principal, que também tinha um genro. Dessa forma, era interessante ver como as relações se estabeleciam com diferentes indivíduos e gerações.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Constelação.

    Além disso, ele era um forte elo da Nenê com sua ancestralidade. Ademais, ele representava bem as questões de ser uma pessoa idosa e a saudade de sua companheira.

    Lineu (Marco Nanini)

    Como dissemos, Lineu é a representação do homem certinho e profissional. Porém, mesmo assim, ele precisa enfrentar tudo que abomina. Afinal, sua filha mimada casa com um pilantra. Além disso, seu filho Tuco, no começo da história, é a personificação do filho folgado e que nada quer com a vida.

    Tanto dentro da família, quanto no emprego, Lineu passa por situações complicadas. Ele acaba errando em algumas situações, em outras quer desistir e até chega a querer matar alguém. Contudo, fica claro como ele representa a imagem do pai que luta para dar o melhor para aqueles que ama. No enredo se vê claramente que ele busca passar os seus valores para a família. No entanto, para isso, é muito rígido e, às vezes, incompreendido

    Nenê (Marieta Severo)

    Dona Nenê é o grande ponto de equilíbrio da família. No início da série, ela interpreta a mulher Amélia que cuida de casa enquanto o marido provém o sustento. Dentro dessa limitação, ela faz o seu melhor: é a mãe que educa, que mima e que repreende. Com o tempo, acaba sendo a avó que cuida e mima como todos esperam.

    Apesar de ser uma representação clara do que se espera da dona de casa brasileira, a personagem vai crescendo com o tempo. É nítido como ela entende que o papel da mulher muda. Ela não se separa ou muda radicalmente, mas no final da série ela abre um negócio e prospera. Além disso, ela começa a se posicionar mais, porém sem nunca deixa seus valores de lado.

    Bebel (Guta Stresser)

    Bebel, filha de Lineu e Nenê, começa como uma personagem mimada e totalmente dependente do seu marido. No decorrer da história, as coisas mudam de modo que Bebel assume um papel de mulher empreendedora. Assim, aprende a dizer não e a defender suas posições. Mesmo sendo louca por Agostinho, a dinâmica do casamento acaba mudando.

    Tuco (Lúcio Mauro Filho)

    Tuco é um belo adolescente no começo. Não liga para estudos, só quer sair e namorar. Com o passar dos anos, acaba tendo relacionamentos sérios e entende que se quer algo, precisa lutar por isso. Ele nunca deixa de ser o menino grande, mas começa a assumir responsabilidades.

    Agostinho (Pedro Cardoso)

    Agostinho, marido de Bebel, é o típico malandro. Faz de tudo para se dar bem e tem loucura por enriquecer. Na série ele não pensa duas vezes em dar o golpe em quem seja. Acaba abrindo uma cooperativa de táxi com Bebel, mas, mesmo assim, não deixa os golpes de lado. Além disso, vive uma eterna tensão com o Lineu.

    Floriano Carrara (Vinicius Moreno)

    Floriano é o filho de Bebel e Agostinho. Mesmo tendo referências dos avós e do tio, sua personalidade é semelhante à do pai. Esse é um tema recorrente em seções de Constelação, justamente por ficar nítido o quanto as pessoas herdam traços característicos de seus antecessores. Floriano Carrara é a retratação de alguém que, desde pequeno, recorre à malandragem para conseguir o que quer.

    Marilda (Andréa Beltrão)

    Marilda é a melhor amiga de Nenê e vive em busca de um amor. Mesmo ela sendo independente financeiramente, ela sente um vazio por estar sozinha. Para o final da série ela casa com um milionário e deixa ser salão para Nenê.

    Paulão (Evandro Mesquita)

    Paulão é o verdadeiro quebra-galho. É apaixonado por Marilda e apronta muitas confusões. É interessante ver como a influência de seu objeto de desejo o ajuda a mudar. Inclusive, ele reconhece que a falta de estudos é um déficit em sua vida. Ele também sabe o quando mudar exige esforço.

    Além disso, Paulão claramente é reflexo de suas companhias. Dessa forma, ele acreditou que ser malandro traz resultados e, mesmo sabendo que errado, faz algumas falcatruas. Dessa forma, podemos ver como a família e nossos amigos influencias nossos comportamentos.

    Beiçola (Marcos Oliveira)

    Esse é um personagem curioso. Ele tem uma paixão reprimida (ou nem tanto) pela Nenê. Além disso, ele tem traumas advindo da relação com a mãe e a morte dessa. Inclusive, o relacionamento entre o personagem Beiçola e sua “mãe”, é baseado no personagem Norman Bates do filme Psycho.

    É muito interessante ver como esse personagem é desenvolvido. Trata-se de um solteirão amargurado que não tem a quem pedir socorro. Mesmo parecendo um personagem chato e raso, a sua psique é muito complexa para quem se interessa pela mente humana.

    Conclusão

    A Grande Família é uma grande obra para entendermos como as famílias funcionam. Claro que há excessos, mas em tudo podemos rir e aprender. A própria adaptação da obra para os tempos atuais por si só já é muito interessante, dado que as dinâmicas familiares mudam o tempo inteiro. Porém, se não tiver tempo para assistir a versão original, pode enxergar como o passar do tempo interfere na perspectiva dos personagens desta série.

    Se inspirado neste post sobre A Grande Família você ficou interessado em saber mais sobre famílias e a influência delas em nós, conheça nossa formação EAD em Constelação Familiar. Trata-se de um curso 100% online e barato, que te ensina sobre as constelações familiares de forma séria e didática. O começo é imediato e, ao final do curso, é possível trabalhar como constelador em vários ambientes. Confira nosso curso e garanta uma segunda formação!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    9 + 20 =