Constelação FamiliarTranstornos e Doenças

Transtornos psíquicos para a constelação familiar

Não raro, as pessoas costumam separar terapias que tratam dos transtornos psíquicos daquelas que tratam problemas familiares, por exemplo. No entanto, gostaríamos de, neste texto, mostrar um pouco da versatilidade que a Constelação Familiar tem neste aspecto. Ao tratar do sistema familiar de modo holístico, uma grande variedade de questões podem ser resolvidas. Assim sendo, leia o artigo até o fim e descubra se a Constelação pode ajudar você!

Premissas da Constelação Familiar enquanto terapia

Bom, se você já ouviu falar da Constelação Familiar, mas não sabe que ela também pode ajudar a tratar transtornos mentais, é importante prestar atenção a este pedaço do texto. Explicamos aqui, em linhas gerais, como a Constelação pode ser entendida como terapia.

Para começo de conversa, terapia é um termo guarda-chuva usado por várias áreas. No que diz respeito à saúde física e mental de uma pessoa, estamos falando de um conjunto de práticas que é usada para reparar um quadro danoso. Assim, se você está no hospital porque quebrou uma perna, você precisa de uma terapia para fazer com que essa parte do seu corpo se regenere.

Quando falamos em mente, isto é, nos transtornos psíquicos e problemas que afetam o nosso emocional, também seguimos a mesma lógica para definir uma terapia. Assim como pessoas têm problemas físicos, elas têm problemas que não podem ser alcançados com a mão. Trata-se de questões que um bisturi, um gesso, um marcapasso jamais conseguirão resolver. É nesse contexto que a Constelação Familiar se insere.

A cura para Bert Hellinger, o pai da Constelação Familiar

De acordo com o pai da Cconstelação Familiar, Bert Hellinger, uma vida saudável depende de nosso cuidado com alguns elementos. Assim sendo, a falta de cuidado implica em problemas, ao passo que voltar a prestar atenção nestes aspectos aumenta a possibilidade de cura.

Portanto, fica evidente que a terapia é um processo em que a pessoa se torna mais consciente dos elementos que estão desarranjados em sua vida e busca colocar tudo em ordem.

Os mais importantes, nesse contexto, são as leis sistêmicas referentes aos relacionamentos. Por meio do respeito a cada uma delas é que somos capazes de alcançamos uma maior harmonia e bem-estar mútuo. Uma quebra dessas diretrizes em qualquer ponto de nossa árvore genealógica pode trazer consequências negativas hoje.

As leis sistêmicas da Constelação Familiar

Confira o que cada lei sistêmica diz para que você entenda exatamente o que não deve ser violado:

  • Lei do pertencimento: todos os membros de um sistema têm o direito de fazer parte dele,
  • Lei da hierarquia: quem chegou antes do sistema tem prioridade sobre quem veio depois,
  • Lei do equilíbrio: quem dá algo a alguém no sistema deve receber na mesma proporção.

Como a Constelação Familiar intervém em transtornos psíquicos

Como dissemos mais acima, é possível que pelo tipo de lei que comentamos, elas sejam apenas úteis para tratar problemas emocionais ou de relacionamentos. Contudo, é aí que está o x da questão, por assim dizer. Para a Constelação Familiar, os relacionamentos que mantemos e os problemas que ocorrem no âmbito sistêmico são a nossa cura ou a nossa “perdição”. Desprezando-os, temos problemas; corrigindo-os, somos curados.

Há diferença em transtornos mentais e patologias?

Em linhas gerais, poderíamos responder a essa pergunta com um sonoro ‘não’. Dizer que os transtornos psíquicos não são doenças seria similar a diminuí-los em importância, o que é uma péssima ideia. Contudo, é importante destacar que se tratam de coisas distintas em alguns sentidos.

Genericamente, um transtorno corresponde a um estado alterado da saúde normal. Porém, apesar de nem sempre estar vinculado à uma doença, está intrinsecamente ligado à saúde mental. A doença, por outro lado, pode ser definida como ausência de saúde. Nesse contexto, é possível ter um transtorno psíquico e estar perfeitamente saudável?

Sim, mas nem sempre. Pense em uma compulsão alimentar que pode se desenvolver em um período específico da vida de alguém. É comum que, após um término de relacionamento, as pessoas descontrolem a comida. Isso não significa que estão doentes, mas que estão com um estado de saúde alterado psiquicamente. No entanto, lembre que é possível ter um transtorno mental e estar sim doente. Um exemplo é o Transtorno de Déficit de Atenção.

5 transtornos psíquicos ou sintomas que a Constelação Familiar pode ajudar a tratar

Tendo em vista toda essa discussão, mostramos agora alguns transtornos psíquicos e sintomas de transtornos que podem ser tratados com a intervenção da Constelação Familiar.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Constelação.

    Transtorno de Personalidade

    Na Constelação Familiar, o transtorno de personalidade é uma manifestação, isto é, uma sequela. A pessoa com o problema se apresenta como bode expiatório para reparar um dano físico ou mental cometido ou sofrido por antepassados. Nesse contexto, o constelador investiga o sistema familiar para ajudar o constelado a identificar e reparar a causa do transtorno.

    Insônia

    Quando damos mais amor do que recebemos em nosso sistema, muitas vezes repetimos dificuldades e histórias de nossa família. Quando uma pessoa insone passa por constelações, há um enfoque mais integral na pessoa doente. Aqui fica mais clara a importância de respeitar todas as leis sistêmicas.

    Tentativas de suicídio

    Quem é constelador sabe que  as tentativas de tirar a própria vida derivam de vários fatores sobrepujados por uma angústia sufocante. Tendo isso em vista, é importante fazer a identificação de questões sistêmicas na família do indivíduo. Contudo, não só.

    É importante fazer um acompanhamento médico também. A intervenção psiquiátrica pode ser indispensável! Confira a cartilha recomendada pela Associação Brasileira de Psiquiatra neste caso.

    Adicção

    Em linhas gerais, a adicção é resultado direto da sensação de que se precisa compensar algo. Nesse contexto, vale retornar à reflexão das leis sistêmicas para ver o que está fora do lugar.

    Automutilação

    Por fim, no que tange a automutilação, é importante ver que estímulos estão causando esse tipo de reação. O que faz com que uma pessoa sinta a necessidade de ferir-se? Essa é uma pergunta que a terapia com Constelação Familiar pode fazer.

    Considerações finais sobre transtornos psíquicos

    Com o texto de hoje, esperamos ter convencido você que a terapia com Constelação é abrangente o suficiente para ajudar a tratar transtornos psíquicos. Não necessariamente apenas a terapia com Constelação será necessária. Cada constelado tem sua história individual e necessidades particulares. Para aprender como identificar esse tipo de necessidade, matricule-se já em nosso curso de Constelação Clínica 100% à distância!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    4 + 13 =