Constelação FamiliarFormação em Constelação

Amor à Segunda Vista: resumo do livro de Hellinger

Na nossa sociedade parece haver uma tendência aos relacionamentos líquidos, como já previsto por Zygmunt Bauman. Ou seja, a tendência é vivenciarmos relacionamentos em que as partes não estão comprometidas a fazer o necessário para durar. No livro Amor à segunda Vista, encontrado facilmente em livrarias online, Bert Hellinger vem se contrapor a essa ideia.

Ele nos mostra como sustentar não apenas um relacionamento, mas o amor.

É sobre isso que esse artigo quer apresentar e discutir: as ideias trazidas por Hellinger no livro Amor à segunda Vista.

Bert Hellinger

Bert Hellinger é um teólogo, filósofo e psicoterapeuta alemão nascido em 18 de dezembro de 1925. Trata-se nada mais nada menos do que o criador da teoria da Constelação Familiar.

Durante dezesseis anos, ele trabalhou como missionário na África do Sul entre os zulus. Foi durante esse período que ele se viu diante dos costumes, dos rituais e da música zulus. Todas essas experiencias proporcionaram a ele uma formação ecumênica e dinâmica de grupo que mudou sua vida.

O resultado de tudo isso veio após a sua sua saída da congregação, depois de 25 anos como sacerdote. Hellinger voltou, então, à Alemanha e começou a buscar uma formação em psicanálise. Isso resultou em estudos que originaram a teoria das Constelações Familiares.

O trabalho de Hellinger abrange, dentro da psicoterapia, aspectos da pedagogia e aconselhamentos de casais. Além disso, trabalha e aplica seus conhecimentos a consultorias empresariais, política e resolução de problemas sociais. Dentre as principais teorias desenvolvidas por ele está a de que a consciência não julga o certo e o errado. Porém, ela faz parte de predefinições, categorizadas por ele como “ordens do amor” e “ordens de origem”.

Principais obras de Bert Hellinger

Antes de analisarmos o livro Amor à segunda vista conheça algumas das principais obras de Hellinger!

  • A fonte não precisa perguntar pelo caminho, pela Editora Atman;
  • A Simetria Oculta do Amor, pela Editora Cultrix
  • Conflito e paz: uma resposta, pela Editora Cultrix
  • Desatando os laços do destino, pela Editora Cultrix
  • Liberados Somos Concluídos, pela Editora Atman
  • No centro sentimos leveza, pela Editora Cultrix
  • O Essencial É Simples, pela Editora Atman.

Resumo do Livro Amor à segunda vista

Como dissemos, o livro Amor à segunda Vista nos mostra como sustentar o amor. Isso fica explicito desde o prefácio do livro:

O que acontece quando o homem diz à mulher e a mulher diz ao homem esta frase: ‘Eu amo você e aquilo que guia a mim e a você’? De repente não olham apenas para o seu desejo, olham para algo que está além deles. Mesmo que ainda não consigam compreender o que essa frase exige deles ou com o que de especial ela os presenteia, e ainda qual o destino que guarda cada um deles separadamente e juntos – trata-se de uma frase que prepara e possibilita, após o amor à primeira, o amor à segunda vista.

A partir disso, Bert nos conduz ao entendimento das ordens ocultas do amor. Ordens essas que, segundo ele, são fundamentais para facilitar a fluidez do amor. Em especial, ele nos mostra a importância de tomar três dos cinco círculos do amor.

Antes de falarmos sobre eles, é importante lembrar a importância da origem na constelação familiar. Ou seja, muito do que vivemos hoje advém de experiências do nosso núcleo familiar. Experiências essas que nem sempre fomos nós a vivenciar. Dado esse ponto, Bert explora a relação entre filho e pais para nos ajudar a entender as relações.

Primeiro círculo do amor

Neste primeiro ponto, Bert nos questiona como se deu o início de nossa vida. Afinal, nosso nascimento e infância são marcos decisivos na construção de nosso eu. Por isso é importante pensarmos como foi que recebemos a vida dada a nós por nossos pais. Será que tivemos pais presentes em nossas infâncias?

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Constelação.

    Essas perguntas são cruciais, pois, receber a vida plenamente nos torna gratos e nos permite seguir em frente. Caso não tenhamos recebido o que foi nos dado com a certeza que aquilo e suficiente, há uma tendência que nos direciona a comportamentos egoístas e vazios. Da mesma forma, a negligência dos pais na faze crucial da infância traz solidão e carência. Tudo isso refletirá nos relacionamentos futuros.

    Segundo círculo do amor

    No segundo círculo somos convidados a pensar sobre como caminhamos em relação a nossa relação enquanto família. Ou seja, como nos dirigimos a nossos pais, se temos um sentimento de gratidão a tudo que recebemos deles. Ou, se já os julgamos em algum momento, hoje isso já é superado?

    Além disso, nesse segundo círculo é importante entender nosso lugar dentro da família. Qual nosso papel, como nos posicionamos diante de um conflito entre nossos pais? Além disso, precisamos entender que nossa relação com os pais não deve ser misturada com a relação pessoal deles.

    Outro ponto importante que Bert nos traz é a relação com os membros da família além dos pais. Por exemplo, se temos irmãos, se estes estão vivos ou mortos, tudo isso interfere diretamente sobre nós. Ademais, é importante considerar como encaramos a relação nossa com eles e também com nossos pais.

    Terceiro círculo do amor

    O terceiro círculo é um convite a pensarmos nas relações que vieram antes de nós. Por exemplo, se nossos pais tiveram parceiros importantes antes de se tornarem um casal. Como essas relações acabaram e a presença ou ausência de respeito no tocante a essas pessoas são fatores importantes para determinar a saúde do relacionamento presente. Como dissemos, não são só as nossas experiências que determinam quem somos.

    Devemos pensar também como nossas relações afetivas começaram. Como foi o momento em que amamos a primeira vez, como foi nossa primeira experiência sexual. Ao refletir sobre isso, precisamos nos questionar se sabemos dar e receber o amor. Imprimimos e exigimos do parceiro algo que não recebemos de nossos pais?

    Outro ponto importante a se refletir é se na relação enxergamos o outro como igual. Também é preciso questionar se entendemos e valorizamos a família do outro. Afinal, ela faz parte de quem ele é. Dessa forma, será que a família do outro e a sua tem espaço na sua vida, no seu coração? Será que você as famílias fazem parte do sistema familiar de vocês?

    Além disso, na sua relação, o que te motiva a ficar? O que te motivou a começar? É amor ou interesse?

    Todos nós temos algo a ser curado para que vivamos plenamente as ordens do amor. É isso que o livro Amor à segunda Vista nos mostra.

    Curso de Constelação Familiar

    Além disso, outra ferramenta importante nessa jornada é a constelação familiar. Nesse contexto, se você quer saber mais sobre o tema, se aprofundar no que Amor à segunda Vista traz, faça nosso curso de Constelação Clínica 100% online. Ele te ajudará a entender e aplicar conceitos como os apresentados neste post. Além disso, lembre-se que se trata de um curso totalmente à distância, ou seja, você estuda onde e quando quiser. Confira!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    quatro × cinco =